Voltar

César Guerra-Peixe

Nascimento: 18/03/1914

Falecimento: 26/11/1993

Natural de: Petrópolis (RJ)

.

Discografia

Bibliografia

Considerado um dos principais compositores brasileiros do século 20, compôs algumas importantes obras para violão, as quais infelizmente ainda não receberam a devida atenção por parte dos violonistas. Algumas possuem, inclusive, grande valor histórico, pois foram as primeiras do Brasil no gênero, como a Suíte para Violão, 1946, na qual utiliza elementos seriais, e Sonata, escrita em 1969.

Filho de imigrantes portugueses, nasceu em Petrópolis, Rio de Janeiro, em 18 de março de 1914. Iniciou seus estudos musicais de violão com o pai, aos seis anos. Antes de completar 10,  já tocava bandolim, piano, violão e violino. Precocemente, já fazia pequenas viagens por Minas  Gerais e Rio de Janeiro para se apresentar em pequenos conjuntos.

Aos 11, começou a estudar no Conservatório Santa Cecília, em Petrópolis (Rio de Janeiro), onde o talento do garoto já era reconhecido: recebeu  medalha de ouro dois anos depois como prêmio de estímulo. Aos 16, já trabalhava como professor de violino dessa instituição.

Em 1932, iniciou estudos no Instituto Nacional de Música no Rio de Janeiro, após se aperfeiçoar com Paulina D´Ambrosio.

Seis anos depois, escreveu alguns arranjos que foram gravados na Odeon e travou contato com as ideias de Mário de Andrade, através do livro Ensaio Sobre a Música Brasileira, que causaram profunda influência em sua estética composicional. Por essa época, estudou matérias teóricas com Newton Pádua e iniciou oficialmente sua fase composicional em 1942.

Em 1943 compôs sua primeira obra para violão, o choro Sátira.

Entre 1944 e 1949, iniciou a sua fase dodecafônica, estudando com H.J. Koellreutter e renegando todas as obras realizadas antes de 1945. Durante esse período compôs a primeira obra prima para violão, a Suíte para Violão, de 1946, na qual busca uma aproximação entre a música popular e a serial. Sua Sinfonia n.1 foi transmitida pela BBC de Londres e, em 1947, recusou convite de Aaron Copland para morar no exterior.

Em 1950 inicia fase nacionalista e viaja ao Recife, onde residiu por três anos, visando coletar material folclórico para suas composições. Ainda neste ano compôs a trilha musical de um dos filmes clássicos dos Estúdios Vera Cruz, Terra é Sempre Terra.

Em 1953 passa a morar em São Paulo, onde também faz coleta folclórica e participa de congressos populares, escrevendo também sobre essas investigações artísticas. Um dos resultados é o livro Maracatus do Recife, publicado pela Editora Ricordi, de São Paulo. Ainda na década de 1950 várias de suas músicas são gravadas e recebe prêmios como o Roquette Pinto, em 1956.

Em 1961, volta ao Rio de Janeiro após o término do contrato com a Rádio Nacional de São Paulo. Funda então, em 1968, a Escola Brasileira de Música, Popular do Museu da Imagem e do Som.

Em 1969 compôs  Sonata, a primeira do gênero na história do instrumento no Brasil. Com três movimentos, é uma das grandes obras-primas do repertório nacional, infelizmente ainda pouco tocada e gravada. Entre esse ano e o seguinte cria também os 5 Prelúdios, sua obra mais interpretada pelos violonistas.

Em 1971, passa  a integrar a Academia Brasileira de Música, na qual ocupa a cadeira que pertenceu a seu professor, Newton Pádua.

Entre 1979 e 1980, cria suas 10 Lúdicas para violão.

Em 1981, compõe para violão a série de Breves. Dois anos depois, escreve o Caderno de Mariza. Por fim, em 1984, cria sua última obra para o instrumento: Peixinhos da Guiné.

Até o final da vida, quando morre em 26 de novembro de 1993, Guerra Peixe continuou a receber diversos prêmios e a ministrar aulas como convidado em escolas e festivais. Entre seus principais alunos podem ser citados Jorge Antunes, José Maria Neves, Guilherme Bauer, Ernâni Aguiar, Capiba e Sivuca.

Suas obras foram gravadas por violonistas como Marcus Llerena e Sebastião Tapajós. Violonistas como Flávio Apro, Paulo Pedrassoli e Edelton Gloeden já mantiveram peças do compositor em seus repertórios.

 

Lista de Obras:

- Sátira (1943)

- Suite (1946)

- Ponteado (1966)

- Sonata (1969)

- 5 Prelúdios (1969/1970)

- 10 Lúdicas (1979/1980)

- Breves (1981)

- Caderno de Mariza (1983)

- Peixinhos da (1984)

Link: www.guerrapeixe.com

 

Bibliografia:

- VETROMILLA, Clayton Daunis. Introdução à obra para violão solo de Guerra-Peixe. Dissertação de Mestrado em Música, UFRJ, 2002.

-CORRADI JUNIOR, Cláudio José.  César Guerra-Peixe: Suas obras para violão. Dissertação de Mestrado. USP, 2006, 255 pág.

 

Discografia Selecionada

- BLANCO, Waltel. Recital. Rio de Janeiro: CBS, 1965. (LP)

- LLERENA, Marcus. Noturno Brasileiro: violão e orquestra de câmara. Rio de Janeiro: Citadela Classics. 1990 (CD)

- MACHADO, Celso. Brasil, Violão. São Paulo: Discos Marcus Pereira, 1984. (CD)

- MONTEIRO, Fabio Shiro. Recital Brasileiro. 2000. (CD)

- REIS, Dilermando. Dilermando Reis - Grand Prix. São Paulo: Continental. 1969. (LP)

- TAPAJÓS, Sebastião. Brasil - El Arte de la Guitarra. Buenos Aires: Estúdios Ion S.A., 1971. (CD, 2000)