Voltar

Ana Maria Bedaque

Nascimento: 30/09/1964

Natural de: São Paulo (SP)

ss

Por Gilson Antunes

Trata-se de uma das principais representantes femininas do violão brasileiro: foi uma das únicas a terem a honra de se apresentar para Andrés Segovia, e de ser regida pelo maior compositor brasileiro pós-Villa-Lobos, Camargo Guarnieri. É também uma das pioneiras a cursar pós-graduação em violão no exterior - algo comum hoje em dia, mas raríssimo na década de 1980 – e a dar aulas na Universidade Livre de Música (atual Centro de Estudos Musicais Tom Jobim), em São Paulo.

Filha de Irmey Guimarães Bedaque e Celina Rugai Bedaque, Ana Maria iniciou os estudos de violão bem cedo: já na adolescência venceu o Primeiro Concurso de Música de Campinas (1979) e o Concurso Isaías Sávio, em São Paulo (1981). Nessa época assistiu a festivais em São Paulo (Conservatório Musical Brooklyn Paulista – IV e V Curso de Técnica e Interpretação Violonística), Porto Alegre (XII Festival Internacional de Violão – Faculdade Palestrina) e em Campos do Jordão (XII Festival de Inverno) – onde teve aulas com Massimo Gabarroni, Edelton Gloeden, Paulo Porto Alegre, Turíbio Santos, Alvaro Pierri e Geraldo Ribeiro.

Cursou bacharelado em música com Henrique Pinto na Faculdade Alcântara Machado, em São Paulo, onde se formou em 1984, aos 20 anos. Logo depois passou a se apresentar em festivais e recitais por todo o Brasil, além de programas de televisão, como o Primeiro Movimento, na TV Cultura de São Paulo.

Sob os auspícios da CAPES, cursou mestrado em performance, com Carlos Barbosa Lima, na Manhattan School of Music, em Nova York, onde se graduou em 1988. Em seguida fez doutorado, também em performance, na Eastman School of Music com Nicholas Goluses, em Upstate New York (no Estado de Nova York), formando-se em 2005. Nos Estados Unidos participou de masterclasses com alguns dos principais nomes do violão mundial: Scott Tenant, o alaudista Paul O’Dette, além do já citado Andrés Segovia. Assistiu também a masterclasses de Manuel Barrueco e David Tanembaum.

Entre os principais interesses de Ana Maria Bedaque estão a investigação de aspectos pedagógicos da música (especialmente em Educação a Distância), performance musical (integração de teoria e percepção na formação do músico), consciência corporal e biomecânica da técnica instrumental e design institucional para a web.

Na área didática, deu aulas principalmente na então recém-inaugurada Universidade Livre de Música, em São Paulo, de 1990 a 1992. Desde os 19 anos já dava também aulas particulares em São Paulo e em Itu, além de ensinar no projeto Música na Serra, em Campos do Jordão, e em escolas de músicas de outras cidades do interior paulista, como Salto e Porto Feliz. Em 2010 foi tutora virtual de educação musical a distância pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), em parceira com  a Universidade Aberta do Brasil (UAB).

Além de recitais e turnês por todo o Brasil, foi solista da Orquestra Sinfônica da USP (sob regência de Camargo Guarnieri) e da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (com regência de Tulio Belardi). Fez gravações na rádio Voice of America de Nova York.

Ana Maria Bedaque anda afastada dos recitais de violão há algum tempo, mas seus muitos admiradores esperam um retorno de suas atividades didáticas e musicais. O fato de esta violonista não ter gravado nenhum registro em CD ou LP é algo a se lamentar, principalmente para os que tiveram a honra de assisti-la tocar ao vivo ou que participaram de suas valiosas aulas ou masterclasses. É aguardar para ver o que o futuro reserva a essa grande e importante musicista.