Voltar

Mayara Amaral e a campanha pelo fim da violência contra a mulher

Postado em Coluna Elcylene Leocádio em 25/11/2019

(Mayara Amaral)

Por Elcylene Leocádio

Hoje, 25 de novembro de 2019, tem início mais uma edição da campanha 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres. A mobilização, lançada pela ONU Mulheres, em Brasília, vai até 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Hoje, 25 de novembro de 2019, Mayara Amaral, violonista e pesquisadora, completaria 30 anos de idade, se a sua vida não tivesse sido brutalmente interrompida pelas mãos de um homem com quem teve um relacionamento, em 2017.

Uma das mais destacadas virtuoses da nova geração, Mayara é autora da inovadora pesquisa A mulher compositora e o violão da década de 1970. Seu nome tornou-se símbolo nacional da luta contra o feminicídio.

Quando uma mulher é assassinada, junto com ela morre um pedaço de pai, mãe, filhos, filhas, irmãs, amigas, colegas de trabalho e muitas outras pessoas que dali em diante não terão mais a sua companhia, o seu abraço, o seu sorriso, a sua arte.

Resta a quem ficou, para além da importante busca de justiça e contra a impunidade, não permitir que a vítima seja responsabilizada pela própria morte, não permitir que esta violência seja vista como coisa de casal – naturalmente!

Resta a quem ficou, aprender a lidar com a dor da perda e transformá-la, quando o momento permitir, quando possível for, em um canto de celebração à vida e à obra desta pessoa, ao legado que ela deixou.

O Acervo Digital do Violão Brasileiro abraça a campanha pelo fim da violência contra a mulher e divulga o trabalho de Mayara Amaral com o propósito de manter vivas as marcas dos caminhos que ela trilhou no fazer de sua música.

 

Leia também:

Sentimos muita saudade de você, Mayara Amaral

Feminicídio: porque somos muitas Mayaras

Professores fazem manifesto sobre assassinato da violonista Mayara Amaral