Voltar

Grandes violonistas mineiros fazem recital em tributo aos 75 anos do professor José Lucena Vaz

Postado em Shows em 13/03/2019

(José Lucena Vaz. Foto: Eterovick)

Alessandro Soares 

Sabe quem criou o primeiro curso de violão em uma universidade pública brasileira? O professor mineiro José Lucena Vaz, ao introduzir o Bacharelado em Violão na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em 1976. Por décadas, ele ajudou a formar grandes talentos do violão no país. Na véspera de completar 75 anos de idade, ela será homenageado com recital nesta terça-feira (19/03), às 19h30, no Conservatório da UFMG, com entrada franca. Vão subir ao palco Fernando Araújo, Juarez Moreira, Gilvan de Oliveira, Carlos Walter, Celso Faria, Weber Lopes e Eduardo Barretto.

Com este elenco formado por ex-alunos e fãs do mestre Lucena, o show promete um emocionante encontro do violão brasileiro contemporâneo, unindo várias gerações e estilos. O próprio Lucena também vai se apresentar na noite. Será uma oportunidade única de conferir o tributo a este mestre, reconhecido internacionalmente.

No repertório, Celso Faria vai interpretar a suíte Festival Ary Barroso, formada por temas do compositor com arranjo de Garoto. Eduardo Barretto e Fernando Araújo apresentarão temas de Villa-Lobos, enquanto Carlos Walter tocará Profunda Emoção (Toninho Horta) e Abrapalavra, que ele compôs em parceria de Fernando Chagas. Já Weber Lopes vai mostrar a sua Abre-Coco de Weber Lopes. Para finalizar, Gilvan de Oliveira e Juarez Moreira também farão temas autorais e releituras de canções.

(Fernando Araújo e Celso Faria. Foto: Marcelo Rosa)

A lista de violonistas que estudaram com Lucena Vaz é imensa. Mas podemos destacar entre os mineiros Fernando Araújo, Celso Faria, Eduardo Barretto, Teodomiro Goulart, Gilvan de Oliveira, Cláudio Beato, Rogério Bianchi, Cecília Barreto, Rodrigo Duarte, Máximo Soalheiro, Eduardo Campolina, Charles Roussin, André Guerra, Geraldo Vianna, Celso Moreira, Weber Lopes e Silvio Carlos (Belo Horizonte).

Dos alunos de outros estados, Lucena deu aulas a Flávia Domingues Alves (Porto Alegre), Maria Haro (Rio de Janeiro), Marcelo Kayath (São Paulo), Aliéksey Vianna (Suíça) e Lindolfo Bicalho (França).

Biografia

Mineiro da cidade de João Pinheiro, José Lucena Vaz nasceu em 1944 e iniciou estudos musicais em 1953, aos 9 anos de idade. A partir dos 14, passou a se dedicar exclusivamente ao violão. Em 1967, obteve o primeiro diploma no instrumento pelo Instituto São Rafael (BH/MG), tendo como mestre Walter de Carvalho Alves.

Na década de 1970, buscou aperfeiçoamento em vários cursos, entre eles o Festival de Inverno de Ouro Preto, o Seminário Internacional de Violão de Porto Alegre e o Seminário Internacional de Guitarra de Montevidéu. Nesse período absorveu importantes conhecimentos de renomados mestres, como Abel Carlevaro.

(Juarez Moreira. Foto: Rodrigo Dai)

Lucena ganhou inúmeras premiações, a exemplo do 1º lugar no III Concurso Internacional de Violão de Porto Alegre (1971), a “Medalha de Ouro” no Seminário Internacional de Guitarra de Montevidéu (1975).

Em 1973, ingressou como aluno no curso de Composição e Regência da Escola de Música da UFMG. No ano seguinte, passou a ser professor de violão na mesma universidade – inaugurando no país o ensino superior do instrumento, onde foi responsável pela formação de inúmeros alunos até 1997. Em 1986, recebeu convite para dirigir um seminário de técnicas violonísticas na Suíça.

Em 1990, realizou, a convite da “Brasilien Initiative Freiburg E.V.”, uma turnê pela Alemanha, onde também proferiu palestras e “Master Classes”. Em 1997, foi homenageado pela UFMG com o “Concurso Nacional de Violão José Lucena Vaz” por ter inserido o primeiro curso de violão de Brasil em uma Universidade Federal.

Em 2001, realizou uma turnê pela Itália, cujos recitais foram muito prestigiados pela mídia e pelo público. Em 2005, participou ativamente como instrumentista a convite da UFMG - Festival de Inverno em Diamantina; Da Nova Acrópole de Belo Horizonte – Semana dos Pais, e da Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais, para o encerramento do Fórum Nacional de Secretários e Dirigente de Cultura, em Cuiabá – MT.

Atualmente ainda realiza recitais e ministra cursos de pequena duração. No empenho dessas atividades, imprime sua marca pessoal: fundamenta seu trabalho no estudo de aspectos da cinesiologia humana aplicáveis à técnica de execução violonística.

(Carlos Walter. Foto: Alexandre Rezende)

Elenco

Na opinião do violonista e compositor Juarez Moreira, que participará do show nesta terça-feira (19/03), Lucena Vaz deu contribuição imensa para o ensino do Violão. “Inclusive, foi quem lutou para a criação cadeira de violão na UFMG. Sou autodidata. Nunca tive aulas regulares de música. Aprendi violão "tirando músicas de ouvido". Mas, conheci o Lucena e as nossas conversas e encontros no Conservatório, no início dos anos 70, foram muito importantes. Ele me chamou a atenção para a técnica e me deu muitos toques e conselhos fundamentais”

Para o professor da UFMG, Fernando Araújo, que também subirá ao palco ao lado de Juarez Moreira, Lucena é alguém que, além de possuir profundo conhecimento de música e violão –, tem uma fantástica e misteriosa capacidade de despertar no aluno uma transformadora paixão pela arte.”

Por sua vez, o cantor e violonista Gilvan de Oliveira afirma ser impossível contar em poucas palavras a importância e significância de José Lucena Vaz na sua vida. “Peço o auxílio luxuoso e licença ao poeta para dizer: No meio do meu caminho havia um diamante, e os diamantes brilham e duram para sempre! Milvezesmente obrigado Mestre Lucena, graças à Música que nos uniu!”

Outros depoimentos (colhidos pela assessoria do evento)

“O Professor José Lucena é daquelas pessoas raras que entram na nossa vida para norteá-la e determinar o nosso destino. Tenho orgulho de tê-lo como único Professor de Violão. Aprendi muito e devo-lhe a corajosa indicação para lecionar na Fundação de Educação Artística quando ainda estava nos cueiros do violão.” Teodomiro Goulart (violonista, compositor, inventor dos Violões Fractais (adquiridos pelo Museu Antonio de Torres (Espanha), autor do inovador Método Violar – adotado em 17 países, professor de Violão na Fundação de Educação Artística)

(Gilvan de Oliveira. Foto: Sylvio Coutinho)

“Lucena foi um mestre especial em minha vida. Tive relativamente poucas aulas com ele, pois no Curso de Formação Musical eu fui da turma da Rachel. Mas, naquela época (anos 1980 e 1990), sua presença era ubíqua na comunidade do violão clássico em Minas, influenciando a todos: nas aulas de outros professores, nos concertos de colegas, nas discussões sobre técnica, repertório e interpretação etc. Aquela audição cirúrgica, a musicalidade refinada e a personalidade ao mesmo tempo crítica, instigante, generosa e bem humorada que o definem bem como professor, foram referências fundamentais na formação de toda minha geração, bem como de várias outras, anteriores e posteriores. Tal influência seguirá por muito tempo entre nós, como resultado justo e natural de todo amor e dedicação com que o Lucena conduziu sua carreira.” Aliéksey Vianna (violonista, um dos idealizadores e coordenadores do Festival Internacional de Violão)

"A história do Lucena se confunde com a história do violão em Minas Gerais e no Brasil. Sua determinação, dedicação e amor à música foram responsáveis pela presença de inúmeros grandes violonistas, atuantes, espalhados por todo o mundo. Ele foi capaz de olhar para o presente, perceber a realidade do passado e imaginar o que poderia ser o futuro. Por tudo isso serei sempre grato ao mestre. Que tenha vida longa."
Geraldo Vianna (violonista)

“O Lucena é um mestre incomum. Questiona, provoca, abre possibilidades. O mais importante para ele é a alma de quem toca, a intenção. Durante nossa convivência, eu tive a felicidade de viver tudo isso intensa e profundamente. Saí diferente, os horizontes se ampliaram e eu só tenho a agradecer. Por isso ele é tão importante para nossa música. Ele nos mostra que o que vem primeiro é a personalidade, a originalidade. E que, para chegar a esse nível, é preciso aprender a escutar sua própria voz. Esse foi meu grande aprendizado. O verdadeiro mestre não impõe, escuta! Esse é o mestre Lucena.”
Weber Lopes (violonista)

"Conheci o José Lucena Vaz em meados da década de 1970 nos Seminários de Violão do Liceu Musical Palestrina. Aquela foi uma experiência inesquecível para mim porque às aulas do Lucena eram incríveis. Ele tinha muito carisma, incentivava seus alunos, tinha sensibilidade em saber lidar com as dificuldades e características de cada um. Aquela experiência foi muito marcante e decisiva para que eu optasse por seguir na minha carreira no violão."
Flávia Domingues Alves (violonista, professora de violão da UFRGS)

Serviço:
Recital: 
Homenagem a José Lucena Vaz 75 Anos
Violonistas: Fernando Araújo, Juarez Moreira, Gilvan de Oliveira, Carlos Walter, Celso Faria, Weber Lopes e Eduardo Barretto
Data: 19 de março, terça-feira

Hora: 19h30

Local: Conservatório da Universidade Federal de Minas Gerais (Av. Afonso Pena, 1534, Centro – Belo Horizonte – MG)
ENTRADA FRANCA
Informações: 
(31) 98626 8399