Voltar

Geraldo Vespar tem obra inédita lançada em disco de Paulo Martelli

Postado em Coluna Alessandro Soares em 26/01/2020

Geraldo Vespar tem obra inédita lançada em disco de Paulo Martelli

(Geraldo Vespar e sua filha Karla Patricia, 1971 / arquivo particular)

Por Alessandro Soares

Parece que todo mundo já escutou Geraldo Vespar. Mesmo sem saber. Ele é o violonista de Nara Leão - em Diz que Fui Por Aí - e de Moacir Santos, no LP Coisas. Ele assina arranjos para Clara Nunes, João Nogueira e Beth Carvalho. Já atuou na orquestra de Paul Mauriat, nas TVs Excelsior, Tupi, Globo e até em história infantil gravada por Radamés Gnattali. Hoje pouco lembrado, Vespar ressurge como compositor no novo CD do violonista Paulo Martelli.   

O ano quase nem começou e já temos um disco histórico. Geraldo Vespar: 20 Estudos Populares Brasileiros para violão, lançado pela GuitarCoop (com recursos via Proac), impressiona pela riqueza didática e artística. A longa estrada do cearense nascido em Quixadá, que começou a carreira aos 15 anos e passeou por tantos gêneros, é resumida nesse conjunto de belas obras. Fáceis de ouvir, moldadas em ritmos e cadência bem familiares, mas com um desenho musical primoroso, que surpreende o ouvinte.

Ouça faixas selecioanadas

Geraldo Vespar tem obra inédita lançada em disco de Paulo Martelli

O Acervo Digital do Violão Brasileiro divulgou com exclusividade um vídeo inédito do projeto, o Estudo no 19 Bossa-Choro e, em breve, vai publicar o verbete de Geraldo Vespar. Além disso, CDs e DVDs de Paulo Martelli serão sorteados pelo Instagram do portal em 16 de fevereiro.

Este CD marca uma nova frente empreendida por Paulo Martelli. Consagrado como um dos maiores intérpretes de Bach para violão no mundo e diretor do projeto Movimento Violão, ele deu uma pausa no universo erudito, desengavetou um antigo desejo e foi tomar café com o recluso Vespar, atualmente com 82 anos. O resultado não poderia ser melhor.  

Ao contrário do que se imagina, trocar ornamentação barroca por levadas de ritmos brasileiros é tarefa desafiadora para Martelli, segundo ele, essencialmente um artista de música clássica. Mas o resultado do trabalho mostra que ele é o intérprete ideal para revisar e gravar esses estudos populares, boa parte em formas variadas de samba. Tem Samba-blues, Sambaião, Teleco-teco, Partido Alto e Bossa Nova, tocados com gingado e molejo perfeitos.

Há também peças marcadas por arpejos, sucessão de acordes, baixarias e cordas soltas, como em Calango, Prelúdio-Toada Moderna, Jongo e Toada Praiana, que expõem a sonoridade exuberante do solista.

Ouvindo da primeira à última faixa, percebe-se o feliz contraste entre as faixas já citadas e as melodias mais lentas, que são arrebatadoras. Na Valsa Brasileira – uma linda releitura das serestas da Era do Rádio - na Valsa-Canção e nas introspectivas Modinha e Toada-Modinha, Paulo Martelli é expressivo como ninguém e cada fraseado vive um momento pleno.

Esse disco é fruto de um projeto maduro, cuja história inicia nos anos 1990, nos Estados Unidos, onde Geraldo Vespar estudava composição. Buscando intérpretes para suas obras, ele procurou Paulo Martelli, que fazia mestrado lá e, ocupado demais, passou a bola para o irmão Pedro Martelli, que à época fazia exames na Juilliard School e estreou cinco desses estudos.

Paulo adorou as peças e em 2000 gravou no CD Roots os estudos no  3 (Toada Moderna) e no 7 (Samba Teleco-teco). De lá pra cá foram quase 20 anos sem saber sequer o paradeiro do Vespar, mas valeu a espera.

Geraldo Vespar tem obra inédita lançada em disco de Paulo Martelli

(Geraldo Vespar e Paulo Martelli)

Em depoimento no vídeo promocional da Guitarcoop, Martelli destaca que os 20 estudos formam um compêndio de ritmos, melodias, harmonias e técnicas que inauguram uma nova maneira de se trabalhar música popular no violão. “Temos excelentes compositores que se dedicam a isso, como Dilermando Reis e mais recentemente Paulo Bellinati e Marco Pereira. Mas não havia um ciclo de estudos de música popular brasileira e Vespar preenche bem esse vácuo”.

O passo seguinte será o lançamento, ainda no primeiro semestre de 2020, de um álbum de partituras com as obras do CD. Assim, Martelli redimensiona o legado de Geraldo Vespar como compositor e dá aquela mexida no molho da nossa história musical, convidando a todos para se conhecer mais sobre o lado arranjador e solista desse brilhante aluno de Guerra-Peixe e Moacir Santos.

Geraldo Vespar tem obra inédita lançada em disco de Paulo Martelli

(Geraldo Vespar aos 15 anos / arquivo particular)

Em LPs solo como Take 5 (1964), Samba, Nova Geração (Odeon, 1965) e Eu e o Violão (Odeon, 1968), Geraldo mostra seu virtuosismo, seja acompanhado de orquestra ou em banda com bateria e contrabaixo. Aliás, de certa forma, ele segue a linhagem de Rosinha de Valença e de Baden Powell (divisor de águas nesse estilo de samba instrumental e de improvisação para violão).

Mas voltando ao LP Samba, Nova Geração (Odeon, 1965). Vale ler o texto da contracapa escrita por Moacir Santos, no qual ele diz ter sido ultrapassado no talento da orquestração pelo jovem aluno Vespar. Para quem atualmente ouve música apenas por meio de aplicativos e vê só a capinha minúscula, recomendo fuçar os discos antigos de Vespar e comprar o CD físico de Martelli. O encarte tem preciosos textos, mostrando quem é esse aparente desconhecido que todo mundo já escutou, mesmo sem saber.

Geraldo Vespar tem obra inédita lançada em disco de Paulo Martelli