Voltar

Funarte cria songbook virtual com mais de mil partituras brasileiras

Postado em Lançamentos em 28/03/2018

(Tom Jobim e Chico Buarque)

Por Gabriel de Sá e Marcelo Tobias

Estudantes, professores, instrumentistas amadores e profissionais e entusiastas do universo dos sons, em todas as partes do mundo, poderão, a partir de agora, se aproximar ainda mais da música popular brasileira com um simples clique. A Fundação Nacional de Artes (Funarte) lançou o Songbook Online Internacional, uma compilação de cerca de 1,2 mil partituras com algumas das mais representativas obras de nossa musicografia, já disponíveis de forma gratuita no site da instituição.

As partituras somam mais de 4 mil páginas e foram divididas em nove volumes: três de música popular, três de música de concerto e três de banda de música. Nas edições de música popular, por exemplo, há canções de nomes como Chiquinha Gonzaga, Tom Jobim, Chico Buarque e Milton Nascimento. Já na seção de música para concerto são apresentadas obras de compositores como Ernesto Nazareth, Edino Krieger e Carlos Gomes. Por fim, os volumes de música de banda trazem composições de boa parte dos artistas apresentados nas outras seções, mas com partituras específicas para conjuntos musicais.

(Milton Nascimento, Lô Borges e Beto Guedes)

Foi Marcos Souza, atual diretor da Funarte, quem teve a ideia de produzir a série de songbooks. Durante um curso de mestrado em Roterdã, Holanda, ele percebeu a dificuldade dos estudantes e professores estrangeiros em acessar partituras de música brasileira. Quando tornou-se diretor da Funarte, resolveu dar um jeito de compilar documentos musicais e torná-los facilmente acessíveis. “É apenas uma mostra. Nossa música é muito vasta e não caberia em um songbook, mesmo que online”, acredita o curador. “Quem quiser se aprofundar nestas obras, pode entrar em contato com as instituições que forneceram as peças”.

Dentre as instituições, destacam-se o Instituto Moreira Salles (IMS), a Casa do Choro e o Conservatório de Pernambuco. “Tivemos o apoio de várias entidades e artistas que viram o potencial do projeto, uma forma de o público daqui e de fora do país conhecer ainda mais a nossa música”, observa Souza.

(Francis Hime / Edu Lobo)

As partituras foram cedidas à Funarte por mais de 15 instituições e também pelos próprios compositores. “Edu Lobo e Chico Buarque, por exemplo, enviaram para o projeto composições que fizeram para o teatro”, detalha o idealizador do projeto. Ele destaca, ainda, as colaborações do violonista e professor Paulo Aragão; de Marcelo Jardim, que cuidou da área de bandas; e de Ricardo Gilly, responsável pela parte gráfica.

Ricardo Gilly ressalta que por se tratar de um projeto muito grande, enfrentou algumas dificuldades na hora de trabalhar graficamente o catálogo. “Como o catálogo é muito abrangente, meu maior desafio foi unificar as mais variadas partituras em um formato A4, visando facilitar a impressão caseira, além de formatar os cadernos em PDF interativo”, conta. O projeto segue uma tendência atual de disponibilizar esse tipo de material online e gratuito, assim como Música Brasilis, SESC Partituras, IPB, IMS, o Acervo Digital do Violão Brasileiro. “Estamos muito felizes com a imediata popularidade alcançada pelo projeto, e esperamos que ele cresça e ajude a divulgar a música brasileira!”, ressalta Gilly.

(Carlos Gomes / Ernesto Nazareth)

“Existe uma lacuna grande no que diz respeito à circulação de material de música no Brasil, de partituras. Sempre foi fui difícil encontra-las, apesar de termos uma música riquíssima, é difícil encontrar a partitura de um arranjo, ou de uma peça clássica, seja para violão ou piano, por exemplo”, explica Aragão, responsável pelas partituras de músicas populares. “É muito importante ter um órgão governamental fazendo essa compilação de materiais existentes, reunindo tudo e colocando em um lugar só”, completa.

Paulo Aragão tem uma grande experiência na coordenação de projetos que envolvem acervos para partituras de músicas populares. Já desenvolveu trabalhos no Instituto Moreira Sales, na integralização das obras de Nazaré, na revisão de todo o acervo material de Pixinguinha. Na Casa do Choro, cuidou do acervo, que digitalizou mais de 15 mil títulos e partituras, além de editorar, criar e passar para o formato digital de melodia e cifra, quase 5 mil músicas.

Além do português, a coleção traz textos de apresentação traduzidos para o inglês, o espanhol e o francês, para facilitar o entendimento dos estudantes internacionais. A Funarte contará com a colaboração do Itamaraty e seus embaixadores para difundir o material em outros países. “Isso gera direitos autorais para nossos compositores e divulga a música brasileira lá fora”, defende Souza. A partir de abril, mais três volumes de música de concerto estarão disponíveis no site da instituição.

(Marcos Souza)

Baixe os volumes da coleção no site da Funarte:

Música Popular

Partituras Brasileiras Online – Música Popular – Vol. 1

Partituras Brasileiras Online – Música Popular – Vol. 2

Partituras Brasileiras Online – Música Popular – Vol. 3

Música de Concerto

Partituras Brasileiras Online – Música de Concerto – Vol. 1

Partituras Brasileiras Online – Música de Concerto – Vol. 2

Partituras Brasileiras Online – Música de Concerto – Vol. 3

Bandas de Música

Partituras Brasileiras Online – Bandas de Música – Vol. 1

Partituras Brasileiras Online – Bandas de Música – Vol. 2

Partituras Brasileiras Online – Bandas de Música – Vol. 3