Voltar

Ciclo de Violão promove recitais de 7 a 28 de abril em Belo Horizonte

Postado em Festivais em 05/04/2016

Quem curte violão e vai circular por Belo Horizonte em abril pode reservar toda quinta-feira do mês para assistir, às 20 horas, a recitais de quatro violonistas mineiros que marcam a nova geração de instrumentistas brasileiros. Guilherme Vincens, Filipe Gonçalves, Aulus Rodrigues e Tabajara Belo integram o Ciclo de Violão no Memorial Minas Gerais Vale, realizado na sala Casa da Ópera, no Memorial. O projeto tem produção e curadoria da pianista Joana Boechat.

Guilherme Vincens abre a agenda, nesta quinta (07), com o Andante BWV 1034, de Bach, em arranjo de David Russell.  Em seguida, interpreta dois temas do cubano Leo Brouwer (Berceuse e Ojos Brujos), além de três das mais famosas peças de Joaquín Rodrigo: Invocación y Danza, Fandango e Zapateado.

De Villa-Lobos, Guilherme toca os Estudos V, VIII e XI. O violonista também faz arranjos para Cais (Milton Nascimento / Ronaldo Bastos) e Água e Vinho (Egberto Gismonti / Geraldo Carneiro), além de interpretar o Estudo Chuvoso, de sua autoria, selecionada no Concurso de composição Novas 2, e que pode ser conferida aqui no Acervo, junto com a partitura. A peça de encerramento é Frevo, de Gismonti, em arranjo de Ulisses Rocha.

Guilherme é doutor em performance musical e etnomusicologia pela University of Arizona, onde estudou com Thomas Patterson e David Russell, com bolsa do programa CAPES/Fulbright. Recebeu 12 premiações em concursos internacionais de violão. Participa ainda do Duo Tramanduá com o flautista Bruno Coimbra Faria, e do duo com o violonista Michel Maciel. Em 2012, lançou seu disco “Portrait”.

Filipe Gonçalves

No dia 14 de abril quem se apresenta é Filipe Gonçalves, fazendo um passeio em temas consagrados, como La Catedral (Agustín Barrios), Serenata española (Joaquin Malats), Recuerdos de la Alhambra e Estudo em Mi Menor (essas duas de Francisco Tárrega) e Astúrias (Albeniz). Do repertório brasileiro, o violonista interpreta Luíza (Tom Jobim),  Fantasia Carioca (Sérgio Assad) e Vento e Folhas, do próprio Filipe.                                                           

Vencedor do Prêmio Jovem Músico BDMG em 2009, Filipe Gonçalves também é um dos três primeiros colocados do V Concurso de Violão do Conservatório Musical Villa Lobos da Fundação Instituto Tecnológico de Osasco (Fito) e do 14a Concurso de Violão Musicalis, em São Paulo. Em 2013 foi semifinalista do IV Concurso Internacional de Guitarra Ciudad de Lima, no Peru. Além de bacharel em violão pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), Filipe Gonçalves já estudou com grandes violonistas internacionais, como o francês Roland Dyens, o paraguaio Álvaro Pierre e o brasileiro Carlos Barbosa Lima.

Aulus Rodrigues

No dia 21 de abril ocorre o recital de Aulus Rodrigues, em programa focado em compositores latino-americano. Exceto o Prelúdio BWV 995, de Bach, o violonista vai desfilar peças dos brasileiros Sérgio Assad (Três Divertimentos), Almeida Prado (Sonata 1) e Villa-Lobos (Valsa-choro), do cubano Leo Brouwer (La Espiral Eterna) e Agustin Barrios (La Catedral), que também faz parte do programa de Filipe Gonçalves.

Considerado um dos mais destacados violonistas de sua geração, Aulus ganhou o primeiro lugar em diversos concursos de violão, como o Souza Lima, o Musicalis (este em São Paulo),  o da FENAVIPI, em Teresina, e o Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais (OSMG). Apresenta-se nas principais capitais brasileiras. Em junho de 2014 realizou a primeira turnê internacional, nas cidades portuguesas de Lisboa, Porto, Matosinhos, Serpa, Braga e Aveiro. Como solista orquestral, tocou com a OSMG e a Sinfônica de Tatuí (SP), sob a regência dos maestros Roberto Tibiriçá e João Maurício Galindo.

Tabajara Belo

Encerrando o ciclo, Tabajara Belo faz um show no dia 28 de abril pautado nos arranjos que criou para o cancioneiro brasileiro. Há destaque para sambas como Duas Horas da Manhã (Nelson Cavaquinho/Ary Monteiro), Regra Três (Toquinho/Vinícius), Maracangalha (Dorival Caymmi) e Quem te viu, quem te vê (Chico Buarque). Chico também está presente na lista de choros do recital, com Choro Bandido (parceria com Edu Lobo), ao lado de Vibrações (Jacob do Bandolim) e Lamentos do Morro (Garoto).

Tabajara abrirá espaço também para seus conterrâneos do Clube da Esquina, com  Cruzada (Tavinho Moura/Márcio Borges) e Clube da Esquina no 1 (Lô Borges/Márcio Borges/Milton Nascimento). O vasto repertório do Tabajara inclui ainda o tema erudito Bagatella III (William Walton)  e o standard de jazz Donna Lee (Charlie Parker). Das músicas de sua autoria, o violonista vai apresentar Pode Deixar (em parceria com Pamelli Marafon), Mantra I e Estudos para Improvisação  Multi-textural,  com a qual foi um dos selecionados do Concurso de Composição Novas 3.

Além do trabalho solo, Tabajara Belo também atua com cantores como Vander Lee, Claudio Nucci, Paula Santoro e Déa Trancoso e instrumentistas como Paulo Bellinati e Wagner Tiso. Bacharel em violão pela UFMG e Master of Guitar pela University of Arizona, é professor efetivo da Universidade Federal de Ouro Preto. Já foi solista das orquestras SESIMINAS e Sinfônica de Minas Gerais. Premiado como Melhor Instrumentista do BDMG Instrumental 2008, já fez turnês pela Europa e Estados Unidos e atualmente se dedica à produção do terceiro álbum.