Voltar

A polirritmia no violão: 6 peças de Egberto Gismonti - Alexandre Gismonti

2017
TÍTULO: A polirritmia no violão - Uma investigação a partir de 6 peças de Egberto Gismonti
AUTOR: Alexandre Gismonti Medeiros Amim
ORIENTADOR: Sara Cohen
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - CENTRO DE LETRAS E ARTES - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA
Rio de Janeiro, 2017
 
RESUMO: Este trabalho trata da investigação acerca da operacionalidade de procedimentos polirrítmicos no contexto técnico e interpretativo do violão. A partir das concepções de Tennant (1995), Sherrod (1981), Carlevaro (1967), Sadie (1984) e Morey (2011) com respeito às bases teóricas concernentes à digitação no violão, concluímos que apesar da mão esquerda ser imprescindível para dar forma ao som do instrumento, entendemos que a mão direita é mais determinante na sua produção sonora, sendo portanto considerada predominante para esse fim. Descrevemos as características anatomico-fisiológicas digitais mais importantes da mão direita e buscamos mostrar como estas podem influir diretamente na execução dos procedimentos polirrítmicos no violão. A natureza de tais procedimentos, incluindo os conceitos relacionados ou derivados destes, são detalhados a partir dos conceitos teóricos de Cohen (2007), Simms (1986) e Winold (1975). A análise das obras de Gismonti selecionadas para esta pesquisa revelaram um traço heterodoxo utilizado pelo compositor em sua técnica no violão em função do emprego da mão esquerda como um agente tão importante quanto a mão direita na produção sonora do instrumento, o que por sua vez, resulta numa maneira inusual de abordar a performance da polirritmia no instrumento. Não obstante, concluímos que a técnica heterodoxa de Gismonti não elimina a necessidade do violonista desenvolver os atributos técnicos tradicionais do violão, considerando que estes são igualmente solicitados ao intérprete em metade das obras de Gismonti selecionadas nessa pesquisa.