Voltar

O Idiomatismo na Obra de Guinga - Thomas Fontes

2006

Instrumentistas: Guinga

Tags: Violão e Canto

Dissertação de mestrado Autor: THOMAS FONTES SABOGA CARDOSO Orientador: Prof. Dr. Luiz Otavio Braga Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Rio de Janeiro (RJ), 2006 RESUMO Essa dissertação tem como finalidade a compreensão da linguagem musical do violinista-compositor carioca Guinga. Buscamos através de entrevistas e análises em partitura o processo de formação de sua linguagem composicional, investigando as referências que constituem hoje a sua linguagem própria dentro da música brasileira. Como resultado encontramos diversas referências de música popular (brasileira e jazz) e erudita (românticos e impressionistas) em sua formação musical, e podemos afirmar que o compositor se nutre de diversas fontes culturais. O principal elemento musical estudado é o uso idiomático do violão, onde as cordas soltas e as formas características de mão esquerda são frequentemente usadas como elemento estruturante de suas composições musicais. Pesquisamos a origem deste uso peculiar nos compositores Leo Brouwer e Villa-Lobos, estudados por Guinga em seu período de lições com o professor de violão clássico Jodacil Damasceno, vislumbrando neste contato uma mudança em seus rumos composicionais. Apresentamos um panorama da vida de Guinga, assim como sua relação com a questão nacional e com a tradição da música brasileira. Abarcamos ainda o debate acerca da questão música popular/erudita na medida em que o compositor popular apresenta aproximações diversas com a música culta, tendo como referencial teórico o sociólogo Pierre Bourdieu.